quarta-feira, 15 de setembro de 2010

TRUE BLOOD: UMA SÉRIE FLERTANDO COM A MORTE VERDADEIRA

(Com SPOILERS! do fim da terceira temporada)

Era uma vez um seriado que teve um primeiro ano impecável, um segundo bem inconsistente e um terceiro lamentável. Seu nome? True Blood. Muito provavelmente os que acompanham a série e o blog puderam notar que eu deixei de comentá-la semanalmente como costumava fazer. É que, de fato, fui me desempolgando aos poucos com o que estava vendo; porém, senti necessidade de pelo menos me despedir desta temporada com um post a respeito. E, como vocês já puderam notar pela abertura, não é exatamente elogioso.



Verdade seja dita, o fato é que esta terceira fase da série nunca realmente engrenou. E até que tinha personagens interessantes, que podiam nos fazer esquecer daquele show de bizarria que fizeram com o finzinho do segundo ano e a história de Maryann. Tínhamos Alcide, Talbot, Franklin, Russell - todos promissores, sem dúvida. Só esqueceram de dar uma história bacana pra eles. Ok, os lobisomens nos foram apresentados mas não passaram de uns motoqueiros ogros que lambiam as botas de Russell. Tsc.

Tá bom que o desenvolvimento destas novidades até - até - poderiam ficar para uma quarta temporada, certo? Sim, caso eles resolvessem agora trabalhar melhor os personagens principais. Falando neles, que desastre. Eric e Bill foram diminuídos; e Sookie consolidou-se como uma chataralha.

Tudo bem, esqueçam os principais. E se eles dessem um gás na história dos secundários como Jessica, Lafayette e Pam? Nah. Em vez disso, jogaram a ruiva num drama existencial raso demais, o cozinheiro/trafica/operário num relacionamento que ficou pra decolar no quarto ano e, depois de prometer nos primeiros capítulos algo mais para a sócia de Eric, a confinaram nos domínios do Fangtasia sem qualquer relevância.

Novos ou antigos, Alan Ball e companhia tinham os personagens, os cenários, mas em nenhum momento deste terceiro ano nos deram o mínimo de segurança de que sabiam o que fazer com eles. Subaproveitou os novos e estragou os antigos. E mesmo assim, mesmo assim torci para um bom final, o que significaria necessariamente como algo acima do nível da temporada. Se é que isso serve de argumento - esfarrapado, sujo e fedido -, este episódio foi totalmente harmonioso com os deste ano da série. E nem quero exemplificar tão a fundo, falando do vazio no qual jogaram Alcide, do esdrúxulo fim de Jason e os maltrapilhos herdados de Crystal, de Tara e sua mudança teen... Melhor não.

Hoje, True Blood vive pelo que fez no passado - um crédito que, para mim, basta apenas para eu assistir ao início da quarta temporada. Se vou prosseguir ou não, bem... Só sei que, para continuar espectador, nesse recomeço vão ter que me dar bem mais do que eu vi ao longo deste terceiro ano fajutaço. É o justo para uma série que já brilhou mas que hoje não sabe para onde correr.

7 comentários:

Diego Reigoto disse...

Uma coisa interessante: comecei a ver True Blood por causa daquele seu primeiro post sobre a série (POR QUE "TRUE BLOOD" É A MELHOR NOVA SÉRIE DA TV AMERICANA) que listava os bons motivos para vê-la.

O que eu achava da série mudou com a morte de Godric. Até aquele momento estava tudo impecável. Aí veio Maryann e seu deus chifrudo e a coisa foi ladeira a baixo.

Nessa terceira temporada, poucos momentos me empolgaram. Quando Russell atacou o apresentador na TV e fez aquele discurso, achei que a série tinha reencontrado sua magia. Mas nem isso salvou. E o desfecho foi um desastre.

Todos as boas tramas da série foram levadas por um enredo sem graça e o forte de True Blood foi esquecido: uma boa história com grandes personagens. Uma pena para nós, os fãs.

Isabel disse...

A impressão que eu tenho é que o Alan Ball pensou: 'E se a série não durar tempo suficiente para adaptar os 13 livros?'. E aí ele resolveu misturar coisas, adiantar tramas e desperdiçou uma ótima história. O livro 3 é um dos favoritos dos leitores e se ele tivesse se limitado a adaptar a história, adicionando algumas tramas paralelas menores, teria sido uma grande temporada. Uma pena... Agora é esperar pela 4ª temporada com as bruxas e (Deus queira...) a peça vermelha. XD

Carlos Alexandre Monteiro disse...

Isabel, estou lendo exatamente Club Dead, o terceiro livro. Ele tem umas barrigas, uns momentos de cansaço, mas é bacaninha sim - e 2342 vezes mais legal do que a terceira temporada.

Concordo contigo também na impressão da "pressa" de Ball. Acho ainda que rolou aquele lance de querer imprimir sua marca na história, descolando-a da original. E nessa, se estrepou.

Alan, é isso mesmo: desde o suicídio de Godric e do fechamento da história dos Newlin a série desandou...

abraços!

AP disse...

Achei o nono episódio bom, mas a expectativa decorrente desta impressão - de que ao final a série melhoraria - esvaiu-se logo no episódio seguinte.

Foram muitos problemas. Como a evolução do caráter de Bill ao longo da série, bastante inconsistente.

Fora que quase mais ninguém é humano no elenco. Tanto é que não me surpreenderei se na quarta temporada descobrirmos que o Lafayette é na verdade o negrinho do pastoreio ...

Lucas disse...

Eu gostei da temporada pra dizer a verdade, mas detestei o ultimo episódio...cenas muito estranhas e toscas que em algumas vezes descaterizaram os personagens.
O que foi a cena da Sookie dando descarga nos restos mortais do marido do rei? Ela saindo correndo pro cemitério.

Mas não foi algo tão ruim que me tenha sequer passado pela cabeça desistir de ver ela.

Dexter ta chegando CA o/.

Kaká disse...

CA, não achei a temporada de todo ruim, me diverti em muitos episódios, mas esse final deixou a desejar. (Podiam ter explorado mais o Rei Russell e o Alcide). O Alan Ball acabou com a Sookie dos livros, fez dela uma donzela em perigo chata (mas tenho esperança que depois da revelação do Eric sobre o Beeeel ela vá tomar jeito), e ele também atropela muito as tramas.
"Acho ainda que rolou aquele lance de querer imprimir sua marca na história, descolando-a da original" - é exatamente isso!
Dos 8 livros, o que eu mais gostei foi justamente o 4 com as bruxas, então ainda não vou desistir de True Blood. :)

bjs!

Luzo disse...

Esta 3ª temporada, pareceu mais um grande Filler, muitas coisas ficaram prometidas pra 4ª temporada e pouca coisa aconteceu nesta, até quando Russel, o vampiro mais forte declarou guerra a liga de vampiros só pra depois ficar se esgueirando por becos até ser encontrado por Erick, então qual foi o proposito daquele drama todo na TV? Russel poderia ter sido o que foi o Trinity na 4ª temporada de Dexter, mas se perdeu no caminho.

Related Posts with Thumbnails