quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

BOMBARAM SERIAMENTE EM MEU 2010...

O trabalho pode até dignificar o homem, mas muitas vezes prejudica seriamente o cinéfilo, quadrinista, gamer... e o blogueiro. Esse último, então, acaba se ferrando um pouquinho mais, porque é muito mais importante aproveitar o tempo lendo/vendo/ouvindo/jogando/escrevendo (longe do Blogger) do que exatamente fazendo blog.

Como é momento de retrospectiva, aproveito pra fazer a minha em formato de tópicos. Entre eles, coisas que relatei aqui no blog e outras que não deu pra mencionar no tempo devido; mas, tenham sido registradas anteriormente aqui ou não, todas me fizeram mais feliz em 2010. Lá vai:

MÚSICA

- Show do Holy Ghost! e do Mayer Hawthorne - não percam, que ele tá vindo pra cá - em Nova York.
- Air no Circo. Bonito do jeito que eu imaginava.
- Miike Snow - além de um show legal, a primeira iniciativa do excelente projeto do Queremos - que já promete ser responsável por belos momentos musicais de 2011.

- Bang Bang Bang, fruto da união Mark Ronson,MNDR e do incrível Q-Tip. Simplesmente a melhor música do ano.
- Klaxons lançando disco!
- Paul McCartney... ainda que tenha sido pela TV.
- Delicious Jukebox, festinha do Move That Jukebox, em que tive prazer em tocar em três edições - uma delas, dentro de uma das melhores festas do Rio, a Paradiso.

CINEMA

Mesmo passando quase que invictamente pelo Festival do Rio - droga - consegui ver coisas bem interessantes...

- Inception, é lógico. Christopher Nolan arrebentando novamente em roteiro e direção excelentes.
- The Social Network: bom, mas o curioso pra mim é ver a história de uma rede social no cinema. Sinal dos tempos...

- As adaptações de Scott Pilgrim e Kick Ass arrebentaram!
- Se Beber, Não Case. Galhofaça excelente.
- Onde Vivem os Monstros: se esperava muito mais de Spike Jonze, ao menos visualmente o filme é bonito em sua escuridão. Valeu sim.


LITERATURA/QUADRINHOS

- Aí a coisa embola, porque a maioria do que li não saiu nestes últimos doze meses, mas vá lá.
Nesse departamento, 2010 vai ficar marcado como o ano em que travei contato direto com John Fante e Albert Camus - cada um espetacular ao seu jeito, com Pergunte ao Pó e O Estrangeiro. Li também Juliet, Naked (Nick Hornby, sempre ótimo), Kerouak, o Umbigo Sem Fundo de Dash Shaw, finalmente perdi meu preconceito com Sandman (e me dei bem)... Enfim, foi um ano de boas e muitas leituras. E 2011 não será diferente não.

ARTES PLÁSTICAS


- Poderia chamar o tópico de "Nova York" que tava valendo. Conhecer a cidade - certamente uma das top 3 boas coisas do meu ano - é mergulhar em museus. Vi muita coisa boa, mas citarei só uma: Pure Beauty, a exposição que me fez conhecer o trabalho de John Baldessari, e fazer me interessar em definitivo a ponto de tentar me arriscar nesse campo também. 

GAMES

- Batman:Arkham Asylum: gráficos fodas, enredo divertido e uma jogabilidade responsável pela melhor representação do Batman num game.

- Red Dead Redemption: o GTA do Velho Oeste merece todo e qualquer elogio que lhe cobriu. Um assombro de bom.

- Pro Evolution Soccer 2011: o meu game favorito de futebol ficou mais difícil, com uma física mais precisa, mais e melhores dribles... e um desafio mais viciante do que já era. Meu polegar esquerdo que o diga.

TELEVISÃO

- Só um tópico, pra fechar muito bem: Lost. Um espetáculo do início ao fim, e um ponto final corajoso pra cacete. Bravo!

***

Se eu lembrar de algo mais - e isso fatalmente acontecerá -, vou atualizando. QUem quiser fazer o mesmo, manda bala nos comentários...

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

MOLETOM DO BATMAN: VOCÊ USARIA?

Responda depois de ver, lógico:



(Via Digital Drops)


















Eu até agora não sei dizer. Humm.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

ANDY RASH AINDA VAI PIXELAR VOCÊ

Andy Rash é um sagaz ilustrador que lançou um projeto chamado Iotacons. Os iotacons são a versão pixelada de Rash para personagens da ficção e da vida real: do universo de Indiana Jones e Star Wars aos integrantes do senado americano, todos foram devidamente enquadrados.



(Via Boing Boing)                                                        




























Só falta agora o Rash fazer uns gifs. Bombariam seriamente.

domingo, 26 de dezembro de 2010

FAZ AMOR!

Ayrton Senna clonado & on serious drugs. Porque a solução não é pegar cabeças.



Simplesmente um dos melhores vídeos que vi em 2010.

LONGBOARDING EM NY

Pra quem curte longboard e Nova York, esse aqui é demais. E pra quem curte cinema também: fotografia, edição e trilha de extremo bom gosto.



Podem me dar três encarnações que eu não vou andar 1/10 do que esses caras andam. E o mais maneiro é fazer parecer tudo tão simples... Mais um achado do espetacular Eu Amo Longboard.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

É NATAL...COM BEACH BOYS!

Num dia de paz, rabanadas, saúde, brindes, presentes, parentes, amigos, amores e boas vibrações em geral, o presente do Rodanders só podia ser Beach Boys em versão natalina:



Feliz Natal pra gente!

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

JOGOS ERÓTICOS NO KINECT: QUEM PODERIA NÃO PREVER?

Li ontem no Omelete que uma empresa desenvolveu um game erótico com uso do Kinect. Um aperitivo:




Na mesma nota bdo Omelete, rola o comentário de que a Microsoft, desenvolvedora do Kinect, se apressou em condenar a iniciativa, por conta das intenções família em torno de seu gadget.

Tsc. É óbvio que um aparelho como o Kinect não só abriria essas possibilidades como alguma empresa iria nessa. Ingenuidade da Microsoft em pensar que ninguém teria essa ideia ou hipocrisia em fingir esse desconhecimento?

Cravo a segunda, e ainda crio uma nova alternativa: falta de senso de oportunidade.

ILEGÍTIMO, COM MUITO ORGULHO

O time campeão de 1987: Flávio, Betão, Estevam, Marco Antônio e Zé Carlos Macaé; Rogério, Ribamar e Zico; Robertinho, Nando e Neco
















No dia em que diversos clubes tiveram títulos reconhecidos como Brasileiros em cerimônia da CBF, foi também notícia a indiferença da entidade com o Brasileirão conquistado pelo Flamengo em 1987. Oficialmente, para a confederação presidida pelo capo Ricardo Teixeira, segue o Sport Recife como campeão.

Como Rubro-Negro, um dia eu quis esse reconhecimento. Mas depois de tantos anos vendo a CBF fazer sujeirada em cima de sujeirada - sobretudo quanto a essa novela da Copa União de 1987 -, hoje penso justamente o contrário.

O Flamengo é um clube do povo, surgido do povo, e sua força maior, que construiu sua fama internacional e ajudou a encher nossa sala de troféus, vem justamente das arquibancadas. O Flamengo sempre se criou na improbabilidade, no menosprezo alheio, crescendo quando menos se esperava. E todos nós, torcedores, nos orgulhamos muito disso.

Por isso, por que nós teríamos que lutar pelo reconhecimento da CBF, representante legítima de tudo o que o Flamengo combateu e combate, quando os que testemunharam aquele campeonato - e que de fato importam - sabem devidamente o que aconteceu no campo, na bola? E o melhor: em um torneio que reuniu não só os melhores times, mas seus respectivos clubes, unidos por estarem de saco cheio da incompetência da Confederação Brasileira de Futebol, organizando um campeonato altamente competitivo, sem gorduras nem engodos? O Flamengo venceu esse campeonato, mas para a CBF, foi outro torneio.

É isso. Um outro torneio. Em se tratando de 1987, que o Sport Recife continue como o campeão reconhecido e aclamado pela CBF, e o Flamengo como o vencedor bastardo. Mais emblemático, impossível; mais importante para a nossa torcida, também não. Que continue assim, pelo bem da história. Por justiça.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

O RECORDE MUNDIAL DE DESTRUIÇÃO DE VIOLÕES

Um dos maiores clichês do rock ganhou um recorde bizarro: na Flórida, foram destruídos em sequência 1914 violões.


(Via Cynical-C)

Pra mim, destruir violão/guitarra sempre foi colocar gesso: uma vez que você tem um, nem vale a pena. Por pior que seja o instrumento, dá uma pena enorme. Acho que nunca conseguiria.

LUZ, SKATE, TRON!

Se isso não é espetacular, eu já não sei mais o que pode ser.


(Via Eu Amo Longboard)

O segredo é o seguinte: cada skatista tem um iPod que se conecta à pista para fazer o traçado. Coisa linda,amigos.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

QUINTO ANO DE DEXTER: A TEMPORADA DO QUASE















De todos os cinco anos de Dexter, este foi o que me pareceu passar mais rápido. Normalmente essa sensação é associada a coisas espetaculares - algo que, definitivamente, esta quinta temporada não foi. Ruim, claro, também não; nem mesmo mediana. Foi divertido, legal, bom até - mas isso é pouco quando se trata de um seriado que nos acostumou ao melhor, certo?

Pelo que andei vendo nas interwebs, a grande maioria dos fãs concorda que esta foi a fase menos inspirada da trama do psicopata que mata psicopata, e eu concordo. Ao longo destas 12 semanas, li gente dizendo que a série não sabe mais para onde ir porque não tem mais para onde ir... e é aí que eu discordo. Dexter tem pra onde ir - e tinha muito pra fazer nessa temporada, já que abriu portas muito interessantes e boas de serem exploradas, mas que acabaram sendo subvalorizadas.


Recorrendo ao velho artifício da comparação com o futebol, foi um festival de belas jogadas que viraram bolas na trave, chutes pra fora... chances perdidas. Por exemplo, os roteiristas tiveram a possibilidade de reaver a ambição de LaGuerta, mas optaram por uma mulher mais ética; criaram a boa e oportuna união entre Quinn e Liddy mas a destruíram com a paixonite do policial; poderiam ter feito da transição de Lumen algo bem mais complexo e perturbador para ela e para Dexter; poderiam ter caprichado no embate entre Dexter e Eugene/Jordan; e, por fim, perderam a enorme oportunidade de fazer com que Debra soubesse do envolvimento de Dexter na caçada aos estupradores/assassinos do barril - ou que pelo menos tivesse elementos para desconfiar dele. Ainda assim foi legal, mas poderia ter ido muito além.

De novo: se a quinta temporada não foi brilhante como as anteriores, pelo menos foi divertida, com bons momentos de suspense, Peter Weller atuando benzão como o irritante Liddy e Jonny Lee Miller e Julia Stiles cumprindo bem seus papeis. E o melhor é que ainda há tempo e timing para que, na sexta, algumas das chances acima sejam retomadas, e de preferência logo no começo da história. Ou não está na hora da (cada vez mais competente) Debra desconfiar de seu irmão?

Claro que já - e o que ela fará/faria com essa informação é (apenas) um belíssimo caminho a ser explorado pela série, capaz de render pelo menos novos 12 episódios, em uma nova temporada que não só colocará Dexter em seu devido lugar como comprovará que, em tudo o que a história já nos ofereceu e que pode ainda nos dar, essa quinta temporada não foi o golaço de sempre.  

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

VERÃO EM PARIS

O Rio de Janeiro não espera o calendário pra começar o verão. E essa aqui do Friendly Fires tem tudo a ver com a estação:



Boa desidratação a todos.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

T-GIRL: ELISABETTA CANALIS + MULHER MARAVILHA

Modelo italiana, mulher do George Clooney...e fã da heroína do avião invisível.























Depois da ragazza mia, quem vai?

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

HEADPHONES TRON, MODELO DAFT PUNK. DIGO MAIS?

(Via Consequence of Sound)                                                                              
























Tem som surround, isolamento do resto do universo e uns leds na lateral pra ficar bem fiel ao filme. Só o preço é que não é amigo: US$299 na Amazon. Vai sobrar 13º? Então encare.

***
O podcast Tudo Está Rodando deve voltar na semana que vem...e em formato quinzenal definitivo. Definitivo?

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

O AMOR SEGUNDO JOHN LENNON

Hoje faz 30 anos da morte de John Lennon. Yokos à parte e a exemplo de seus ex-colegas de Beatles (minus Ringo), ele também teve uma carreira solo muito interessante e de momentos brilhantes. Para o mundo, "Imagine" é o auge dela; mas para mim, não. Longe disso...

Minhas três músicas favoritas de Lennon solo estão abaixo - três músicas românticas. Curioso é que, mesmo sempre sendo visto como um contraponto rebelde ao romantismo de Paul McCartney, para mim John fez músicas de amor mais pungentes e bonitas. As que selecionei têm donos: duas para Yoko, uma para Sean.









P.S.: Quando viajei pra Nova York, agora em outubro, estive diante do Edifício Dakota, onde John e Yoko moravam, e na calçada do qual ele foi alvejado por Mark Chapman. Muita gente fotografando, observando, comentando. E alguma coisa realmente estranha acontece ali.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

JÁ VIRAM ENTER THE VOID?

Vejam vocês se não deve ser do grande cacete esse filme de 2009:




A sinopse via IMDB: "Um traficante adolescente é morto no Japão e depois reaparece como um fantasma para tomar conta de sua irmã".  Vou correr atrás desse e depois eu digo o que achei.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

IMAGEM DO DIA: GREEDO, SUA DANADA

(Via Cynical-C)                                                                   
























Como se o George Lucas já não houvesse tirado a moral do personagem, agora isso.

domingo, 5 de dezembro de 2010

GIGA PUDDING

Eu poderia escrever algo, mas nem preciso.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

DUAS DICAS PRA QUEM AMA NONSENSE COMO EU AMO

Pra quem gosta de piadas improváveis, duas recomendações e respectivos exemplos do que eles podem fazer:

De cara, o Fuck Yeah Dementia, que fez isso aqui:














E o Everything Is Terrible, que é ainda mais nonsense, cheio de vídeos tenebrosos como...





O lema do site: "If everything's terrible then nothing is" ("Se tudo é terrível, então nada é"). Na medida.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

TOP 5 MILFs DA CULTURA POP

Tudo começou com a novíssima carta do Tomás no T-Girls, nossa competição que envolve belas mulheres e camisetas de ícones ligados a cultura pop:
























A falta de tempo me impede de postar o tanto quanto eu queria. Eu sempre penso em fazer uma lista de expressões mais sensacionais e quando sair da mente pra vir pra cá, ela terá "milf" ocupando posição de destaque. Impossível não pensar nela quando esbarro com Mary Louise Parker na TV ou nas interwebs.

Enquanto não sai essa lista, veio a foto acima e a vontade de fazer um outro ranking, que dá nome a este post. Mary é a primeiríssima dele, com louvor. Agora, as demais:



2ª) JULIANNE MOORE























Alemães no Carnaval carioca estão para mulatas assim como eu estou para ruivas. Aos cinquentinha, Julianne segue como referência da categoria. Cinquentinha.



3ª) TINA FEY























Inteligente, divertida, bonita e charmosa, Tina Fey é meio que dona do mundo... mesmo que nunca tenhamos visto o contrato. E já é mãe de uma criança de 5 anos - o que a tecnicamente qualifica para a lista, de acordo com a definição do termo. 



4ª) DEMI MOORE
























Ela é o tipo de mulher que só melhorou com a idade - e faz questão de deixar isso documentado nos twitpics da vida.




5ª) CHRISTIANE TORLONI























Nacional vale? Vale. Fiquei na dúvida entre Torloni e Maria Padilha, mas a morena levou a vaga no photochart. Merecidão.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

T-GIRL: KATHARINE McPHEE + SMILE

Eu tô atrasadalho na disputa, mas não posso falhar. Não quando tenho uma carta tão bacana como Katharine McPhee, segundo lugar de alguma edição de que não me lembro de American Idol:





















































Quem segue? Vinicius? Matias? Tomás?

terça-feira, 30 de novembro de 2010

VANS LANÇOU UMA TV ONLINE. SABIAM?

Só hoje soube que existia a OffTheWall.TV, a TV online criada pela Vans. Na verdade é recente - surgiu no meio deste mês de novembro - e traz vídeos de moda, arte, skate, bmx, e algumas webséries - uma delas é do Yo!Gabba Gabba, aquele programa infantil megaübercool.

Isto é um robô andando de skate.                                                                        














Ainda não fuxiquei o canal direito, mas certamente o farei, pois confio bastante no gosto da galera da Vans. Recomendado.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

R.I.P., LESLIE NIELSEN



No apagar das luzes do fim de semana, fiquei sabendo que o intérprete do agente Frank Drebin morreu ontem na Flórida. Quem ainda não viu nenhum filme da série Corra Que A Polícia Vem Aí, deveria ver ontem.

O que pouca gente sabe é que a série de filmes surgiu de um seriado de TV chamado Police Squad! - que nos tempos do videocassete saiu pela CIC Vídeo -, que mostrava os casos do departamento de polícia de Drebin. Um clássico. Catem nas interwebs e não se arrependerão. 

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

SITE-RAIO-X REVELA MASHUPS DO NOVO DISCO DO GIRL TALK

O título do post ficou meio jornalístico demais, mas explica direitinho o que é o Mashup Breakdown: um site que revela quantos, quais e de quem são as faixas mashupadas pelo Girl Talk no seu novo álbum, All Day. É escolher o número da música a ser ouvida e se ligar na timeline pra saber de onde saiu a batida X, o vocal Y etc. Belíssima sacada do GT, contada a mim pela amiga Ana Freitas - que, inclusive, teve a manha de compará-lo a um Raio-X.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

FACEBOOK E TWITTER VIRAM TÊNIS ADIDAS

O designer Gerry McKay mostrou em seu site o que faria caso recebesse a missão de criar tênis Adidas inspirados no Twitter e no Facebook:






















(Via Brainstorm9)

Não curti o do Face - mais por conta do cinza - e achei o Twitter bastante feminino, embora tenha ficado bacaninha... E como não achar que, mais cedo ou mais tarde, os sneakers de redes sociais ganharão as vitrines das lojas? Pra mim é questão de tempo.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

SOQUE UM PANDA HUMANO E TENHA UM DIA LIVRE DE ESTRESSE






































Punch Me Panda é o nome do projeto(?) do artista Nate Hill, que sai pelas ruas de Nova York convidando os transeuntes a darem um soco ou chute nele em troca de um centavo - tudo como forma de ajudar as pessoas a extravasarem o estresse, segundo o próprio. Hill contou ainda ao Wall Street Journal que fatura uns 100 centavos - mais conhecidos como "um dólar" por dia. Ou socos. Seguindo nessa levada, ele vai precisar de 320 dias (ou 32000 agressões) pra pagar a fantasia que comprou no eBay (US$175) + o ajuste no alfaiate (US$145). Boa sorte, Hill.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

CLÁSSICOS DA CULTURA POP DE HOLLYWOOD VIRAM ZUMBIS





































Zumbis nunca sairão da moda. Filmes como E.T., Indiana Jones etc., também não. Hollywood Is Dead é um site de pôsteres que reúne versões mortificadas de clássicos cinegráficos da cultura pop. Como as duas imagens acima sugerem, é tudo biscoito fino, e com preços bem razoáveis - coisa de US$20 dólares. Dica da querida Renata Pinheiro.

LONGBOARD DE TUDO QUANTO É JEITO



Para começar a semana com uma das coisas que mais me deixa feliz nesses tempos.

domingo, 21 de novembro de 2010

O MELHOR DO PLANETA TERRA 2010...QUE EU DEVERIA TER VISTO AO VIVO

Quando perdemos um compromisso ou um evento, na grande maioria das vezes há uma resposta, uma justificativa para tal, nem que seja uma desculpa troncha. Só que as regras acontecem porque há exceções; e, no caso de acontecimentos incríveis, responder um "eu não sei" como forma de explicar a ausência é um grande saco - sobretudo quando você vê, lê, sabe que, sim, as expectativas se confirmaram e foi tudo bom demais.

Por que eu não fui ao Planeta Terra? Eu. Não. Sei.

Aconteceria num sábado, e não trabalho aos sábados; tinha dinheiro pro ingresso, tempo de antecedência pra pegar/pagar uma tarifa bacana de ponte aérea; tenho amigos e parentes que me hospedariam com todo o carinho; e já fui a um Planeta Terra (o de 2008) e sei que, ao contrário de outros festivais no Brasil, a organização dele funciona.

Eu não sei.

O arrependimento, que já se insinuava desde o começo dessa semana, ganhou forma, peso e força no dia do evento. Os amigos falando no Twitter e no Facebook não me deixavam esquecer da pergunta e da resposta sobre minha ausência. O que fazer? Nada a fazer. Nada?

Cada um se serve do que tem. No meu caso, tinha bebida e uma boa conexão de internet. Eu, que estava fora de casa, chamei um amigo - um dos 4 que ficaram no Rio, que ficaram inexplicavelmente do lado de cá - para bebemos e vermos a ótima transmissão do Terra em HD, começando a acompanhá-la lá pelas 23h. Vi algumas coisas que curti, e outras que só fiquei sabendo porque tinham rolado mais cedo ou aconteceram simultaneamente ao palco que estava vendo na hora.

Agora, sim, o que eu não faço ideia por que perdi:




 Of Montreal, sua performance despirocada e músicas idem;






O Passion Pit, que ao vivo parece funcionar maravilhosamente bem;





Empire Of The Sun, com toda o seu trambique carnavalesco e uma iluminação bem fodola;




















O charme de Nicole Fiorentino - aparentemente a única coisa realmente boa desse arremedo de Smashing Pumpkins;




Hot Chip, sempre divertido. Sei que o vídeo não faça jus aos caras, mas só achei esse. Quando surgir outro, substituo;




A bagunça do Girl Talk e seu bacanal de mashups;




E o Pavement, lógico. Como já esperava, Malkmus & cia. engoliram o Phoenix ao tocar depois deles. Mais som, mais punch, mais ______________ (preencham como quiserem). Daqui a pouco falo mais.

***


Teve o Yeasayer, mas não curti tanto o que conheci deles, e por isso não senti a perda. Acho que darei uma nova chance pra, quem sabe, me arrepender por eles também.

***


Ah, o Phoenix. Eu tive a chance de vê-los em Nova York, e achei o show bacaninha, mas a sem pressão devida. Aí, no bis, veio o Daft Punk e, reunida, a francesada fez o Madison Square Garden trepidar. Chegou o Planeta Terra, um boato de que veríamos Daft Phoenix novamente mas...nada. O duo eletrônico fez falta ao show do Phoenix - de novo bacaninha, de novo sem pressão, de novo...

***


Hoje é o dia de perder mais um grande show - na verdade O grande show, de Paul McCartney em São Paulo. Segunda, perco novamente. Dessa vez, eu sei e tenho motivo para tal. Mas querem saber? O arrependimento não é menor. Não dói menos não.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

OK GO!, STOP MOTION EM TORRADAS E UM CAMINHO INVERSO



Acima, o novíssimo clipe do OK!Go, feito com 215 sacos de torradas vencidas segundo o MyCool, site em que conheci o vídeo. Pra variar, é mais um trabalho bem feito pra cacete, e certamente será viralizado pra valer, a exemplo dos anteriores...

O mais engraçado é que o OK!Go conseguiu um feito: o de ser uma banda legalzinha, de músicas "ok" - sem trocadilho -, mas de clipes sempre ótimos, de modo que as pessoas parecem esperar muito mais pelo próximo vídeo deles do que pela nova canção. E a questão é: até que ponto isso é proposital?

Costumamos pensar clipes como realizações visuais, histórias às vezes casadas, às vezes paralelas às músicas que as originam; mas com o Ok!Go imagem e som são realmente indissociáveis, a ponto de a música ser uma mera justificativa para um novo clipe. Lembram de alguma outra banda que faça isso? Eu, não.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

SCOTT PILGRIM vs THE WORLD É MESMO...
















...maneiro pra cacete. Só hoje pude ver o filme, e me diverti como pensei que fosse me divertir mesmo - e já sabendo também que seria difícil superar os quadrinhos de Bryan Lee O'Malley. Demérito algum para o longa de Edgar Wright. Muito pelo contrário...


O que me chamou mais a atenção no filme foram a direção e, sobretudo, a edição. As duas tabelam o tempo para nos lembrar de que Scott Pilgrim vs The World, o filme, é uma adaptação de uma história em quadrinhos - a melhor que eu já vi fazerem de uma HQ no cinema, brincando. E assim...

E assim que se confirmou algo de que já desconfiava quando vi os trailers, cenas etc.: é um filme que premia tanto os leitores da HQ que só eles podem aproveitá-lo ao máximo a experiência. Na minha opinião, isso não chega a ser ruim, já que a trama original é excepcional, pronta para satisfazer os que ainda não leram a história e que curtirem minimamente o que vir na tela - o que não é nada difícil - a ponto de deixá-los tentados a ler a história. Ok, talvez os que foram primeiro ver o filme podem se sentir meio deslocados etc. e até um pouco cansados da estética videogame, mas esses devem ser minoria - afinal, quem vai ver Scott Pilgrim vs The World sem imaginar o que vai ter pela frente?

Além disso, bem:

- No primeiro segundo do filme - e isso significa antes mesmo de seu início - a diversão já se manifesta. Quem não viu, favor prestar atenção;

- Já tinha dito, mas quero repetir que a trilha sonora é do cacete - a ponto de a Sex Bob-Omb ser uma banda realmente boa;

- Que surpresa o "momento Seinfeld";

- Os personagens mais fiéis aos quadrinhos são Knives Chau e Stephen Stills. Colado neles vem o Wallace Wells vivido por Kieran Culkin, que tem a vibe do original, apesar de fisicamente bem diferente...

- Eu preferia um Young Neil mais jovem e inocente e uma Kim Pine menos exagerada (e gatinha);


- Falando em gatinha, muito prazer, Anna Kendrick (Stacey Pilgrim);

- Por fim, será que teremos um segundo filme? Pra mim, só podemos cogitar essa hipótese se O'Malley resolver escrever uma nova HQ de Scott. Torço pra que pelo menos isso role. Por enquanto, o que temos, além de uma bela história em quadrinhos, é um filme nascido pra ser cult; e que, como todo cult que se preze, vai conquistar mais e mais adeptos ao longo dos anos. Muitos? Sei lá. In lesbians with Scott, Ramona, Kim, Wallace, Young...? Certamente.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

DEPOIS DO ENSAIO DA LARISSSA, SITE E LIVRO COM SEIOS EM 3D...






















3DD é um projeto cujo conceito é explorar o 3D para mostrar mulheres em toda a sua, erm, pujança em 3-D. E falamos de seios criados, não fabricados - ou seja, Larissa Riquelme, modelo de um ensaio em 3D da Playboy estaria fora da brincadeira. Os caras fizeram site (preciso avisar que o conteúdo é NSFW?) e até um livro explorando o apeitante abundante tema...

A melhor definição do 3DD vêm de seus criadores: "Poderíamos falar que as belas imagens de seios naturais em todas as formas e tamanhos são uma celebração maravilhosa de mulheres reais em todo o seu esplendor. Ou nos deleitarmos com a verdade universal de que olhar e falar de peitos é apenas muito divertido". Dica do drugue Rodrigo Miranda, parceiro de I Hate Foco.

SNEAKERS COLLECTOR'S GUIDE: SNEAKERS PARA LER E BABAR


















Descobri essa preciosidade ontem. Sneakers - The Complete Collectors' Guide é livro, mas pode ser considerado um museu em páginas do créme de la créme da história dos tênis e suas respectivas marcas. Ou seria o contrário?  Bom, tanto faz, já que o prazer ao se folhear o livro é descobrir os modelos que lá estão, sejam exóticos, clássicos ou raridades. Pra quem ama sneakers, difícil é não ficar com o bolso coçando e o desejo de esbarrar com todos eles numa vitrine qualquer. Na Amazon, a compilação sai a 19,77 dólares.

sábado, 13 de novembro de 2010

E MAIS TARDE, NA MY HOUSE...



Lithium, versão do Polyphonic Spree pro clássico do Nirvana. Essa rolou no podcast do Rodanders e vai rolar mais tarde no meu set de hoje na My House, que acontece hoje na Pista 3. Ao meu lado, a estreante Julia Garcia e o empolgado Johnny Ice. Vai ser do cacete.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

ROLLING STONES EN ESPAÑOL POR BANDAS DE GARAGEM

Estava eu rodando o simpático e megacool bairro de Williamsburg, no Brooklyn quando me deparei com uma lojinha no estilo Championship Vinyl chamada Ear Wax. E por lá, ouvi com Diana, a dona do local, uma bolacinha deliciosamenta safada chamado Their Hispanic Majesty Requests. Como o nome sugere, são quatro bandas hispânicas de garagem tocando Rolling Stones em sua língua nativa. Saí de lá com a certeza de que todos mereciam conhecer aquilo. Infelizmente, só achei uma das músicas no YouTube: Pasemos La Noche Juntos, versão de Let's Spend The Night Together, feita por Los Peyotes:



Em belíssimo portuñol, muy, muy fueda.

E relembro que neste sábado tem festa, con este su compadre en las carrapetitas: My House, Pista 3, a partir das 23h. Lista amiga aqui! Arriba!

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

EXTRA DO DOC DO BANKSY TEM INVERVENÇÃO NO LETREIRO DE HOLLYWOOD

Eu já falei do Exit Through The Gift Shop, o documentário do Banksy sobre a maior falcatrua da arte urbana. Pois saiu o DVD lá fora, e os extras estão vazando. Abaixo, um deles, em que o Invader, artista de rua, faz uma intervenção no famoso letreiro de Hollywood.


(Via IdeaFixa)

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

ESTILOS DOS ROCKSTARS EM PÔSTERES...E VOU TOCAR NO SÁBADO!

Descobri no PartyBusters uma série maneiríssima de cartazes criada pela Moxy Creative House: Ensemble - The Style Of Music é uma coleção de minipôsteres retrô que mostram as roupas clássicas de bandas e artistas do pop e do rock.




































Cada um dos estilos acima estão disponíveis em pôsteres individuais. Por exemplo, o do Run DMC:





































Cada pôster custa US$37 (com frete incluso) - um preço bem exagerado para as dimensões de 40 x 30 centímetros de cada. Mas que são incríveis, são. Vale também conhecer a série Framework, só de armações de óculos que se tornaram famosas por adornarem rostos de famosos.

***

Falando em rock, pop, música etc., neste sábado (mais conhecido como 13/11) serei um dos DJs convidados da MyHouse, festinha bacana daqui do Rio, residente à Pista 3. Aqui tem a Lista Amiga (que garante entrada a R$15 até 1h da matina), e aqui uma matéria da PartyBusters contando um pouco mais sobre o que esperar desta edição da MiCasa - que contará com cobertura total e irrestrita do I Hate Foco. Apareçam!

PODCAST TUDO ESTÁ RODANDO #40: NOVA YORK, NOVIDADES E VISITANTES
















No retorno do podcast, temos alguns sons que conheci em NYC, músicas de artistas que tocam no Brasil essa semana e as novidades fresquinhas de sempre...



O player não tá tocando? Aqui dá pra ouvir direto do servidor e baixar a bagaça também. E, claro, vem aí a tracklist:
Jackson Sisters, I Believe in Miracles - Estava eu na I Love Vinyl, festaça que rola em NYC, quando ouvi essa música. Coisa dos anos 70, lógico. Não são LaToya e Janet, só tendo delas o sobrenome igual, mas têm mais groove do que elas. Sonzaço.

Tom Tom Club, Wordy Rappinghood - Essa foi regravada recentemente pelo Chicks on Speed. Dançante ao extremo e com um refrão divertido e quase impossível de ser cantado - ao menos por mim.

Ratatat, Neckbrace - Não sei porque, mas essa me lembrou Genghis Khan - aquele conjunto trashzão que ganhou versão brasileira nos 80s. Aliás, sei sim: culpa do vocal grave e da pegada disco.

Daft Punk, Derezzed - Essa é recém-lançada, e marca a presença da dupla francesa na trilha sonora de Tron. Bela contribuição.

Poni Hoax, Budapest (radio edit) - Mais franceses, mais som pra dançar. O vocal blasé e a batida levam qualquer um pra perto da caixa de som. Curto o violino de sintetizador também.

Lykke Li, Get Some - Novidade da sueca, que ressurge sem aquele vocal angelical. Não demora muito e vão brotar remixes dessa aqui.

We Have Band, Love, What You Doing? - O disco de estreia do trio, WHB, é um dos mais divertidos que ouvi neste ano. Essa é uma das minhas favoritas no álbum.

Paul McCartney, Coming Up - Macca está na área e eu vou perder, que maldição e eu acho que ele não tocará essa aqui. Sendo assim, aqui está. Acho maneirona.

Belle & Sebastian, Minha Menina (ao vivo) - Na sua primeira vinda ao Brasil, os escoceses, que são fãs da nossa música, fizeram essa simpática versão pro clássico dos Mutantes. O que vão aprontar agora?

Crystal Castles & Robert Smith, Not In Love - CC de novo no pod? Sim. Mas a presença se justifica pela mais do que honrosa participação do líder do Cure no vocal.

The Polyphonic Spree, Lithium - Fechando a tampa, uma versão que também conheci numa festa nova-iorquina. A presença do piano e da harpa são sublimes; e a versão alterna singeleza e a explosão da música, especialmente no refrão. Pra cantar e pular como sempre.

***

Para assinar o RSS exclusivo do podcast basta vir aqui.
E para deixar elogios, fazer críticas e sugerir sons basta recorrer aos comentários abaixo ou ao louvável e-mail do site.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

BROADWAY BOMB: PRA QUEM TEM SOLA, LONGBOARD E CORAGEM

Todo ano em Nova York rola essa Broadway Bomb, corrida de longboarders pelas ruas da cidade. São centenas de participantes de uma prova minimamente organizada - e digo "minimamente" pra valer, já que os caras combinam apenas entre eles...sem avisar as autoridades locais. Ou seja: eles competem com o trânsito rolando à toda.




A prova aconteceu em outubro... e estou pensando seriamente em ir na do ano que vem. Alguém mais se habilita?

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

CAPITÃO KIRK DECLAMA FUCK YOU



Esse foi William Shatner declamando Cee-Lo Green no programa do George Lopez. Repararam na backing vestida de Capitão Kirk?

Curti. Porém, devo dizer, minha cover favorita feita pelo Shatner ainda é a que ele e Joe Jackson fizeram para Common People, do Pulp.

UMA MULHER NUA, UMA GUITARRA E UM QUARTO (NEM TÃO ESCURO)


(Via MusiqTrend)

A banda é a dinamarquesa The Good The Bad, e a música, 030. E o clipe não-censurado é esse aí, feito pra elevar a temperatura de qualquer sexta-feira que se preze.

***


Podcast vem no finde na madrugada de segunda pra terça. Prometo uma seleção bem calibradinha.

T-GIRL: KE$HA + SIMPLE MINDS



















Será que ela também curte The Breakfast Club? Don-don-don-don/don't you/ forget about me... E é a vez de quem agora? Vinicius, Tomás, Matias?

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

THE WALKING DEAD: UM BELO APERITIVO


Tem gente achando que o episódio de estreia de The Walking Dead - que causou furor nos EUA e fúria no Brasil - se desenvolveu a passos de zumbi. Não achei não, talvez por ser acostumado a histórias de mortos vivos, que costumam começar com a apresentação de um cenário desolador, apocalíptico, de poucos imunes à maldição. Falando nisso, uma das coisas que mais gosto em histórias de zumbis é a falta de qualquer explicação para o começo da epidemia, do caos, da doença. Simplesmente tudo começa e é isso aí mesmo. Mas enfim...

Voltando. O que alguns chamam de arrastado, eu chamo de apresentação. A história de Rick, policial que (literalmente) acorda em um mundo completamente diferente do que conhecia, é bem interessante. Melhor ainda é o encontro dele com a dupla de pai e filho Morgan e Duane, já familiarizados com a situação e devidamente traumatizados por terem mulher e mãe transformada em um dos walkers. Aliás, alguém ouviu a palavra "zombie" citada na série até agora? Eu, pelo que me lembre, não. Boa decisão...

Só me preocupa um pouco a história meio óbvia de a mulher de Rick, Lori (a bela-que-já-teve-melhores-dias Sarah Wayne Callies), em meio ao desespero, se envolver com o parceiro do policial. Ainda não li os quadrinhos - a primeira compilação tá me esperando na estante de casa - e não sei como isso se resolve em HQ, mas quero saber como os roteiristas vão fazer com que isso seja minimamente diferente de tantas histórias iguais que já vimos antes...

Bom, sorte que os ótimos minutos finais não me deixaram pensar nisso. Toda a sequência que se inicia com Rick cavalgando na rua em contraste com o "engarrafamento" da pista contrária, o perrengue diante de uma legião de walkers, culminando no refúgio dentro de um tanque é excelente, definindo o primeiro episódio de The Walking Dead como um belo aperitivo que insinua que temos uma boa história a caminho.

AMEAÇA HARDCORE EM TEASER DE HQ

(Via Bleeding Cool)      

Teaser sinistríssimo da Image Comics. Não se promete algo assim se não for realmente bizarro.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

DEAD DROPS: DRIVES USB NASCENDO DAS PAREDES DE NY


Dead Drops é o projeto de Aram Bartholl. O artista "plantou" drives USB em muros de Nova York, instigando as pessoas a plugarem laptops, netbooks etc. pra ver suas obras artísticas ou compartilhar informações. Ideia simples e bacaníssima, descoberta por mim graças ao Blue Bus. E eu nem vi isso por lá...

ALEX PRAGER E SUA FOTOGRAFIA PULP



Demorou (um pouquinho), mas voltei. E, assumo, saí levianamente sem avisar do tempo no blog, feito por conta de minhas férias, e de uma viagem espetacular que fiz, indo conhecer Nova York. Desde já, fica o conselho: se vocês tiverem a oportunidade, não deixem de conhecer a cidade. Espetacular, claro, é pouco.

Cheguei a pensar em fazer um post no estilo do que fiz sobre Buenos Aires, com dicas sobre a cidade etc.; mas a falta de tempo me fez optar por um outro modelo: aos poucos vou soltando por aqui coisas legais que conheci em NY. E começo por Alex Prager, cujo trabalho conheci numa exposição do MoMa sobre fotógrafos da nova geração.


O trabalho de Prager é repleto de personalidade. Suas fotos em geral remontam às histórias pulp, sendo registros de cenas dramatizadas, ambientadas nas décadas de 50, 60 e 70 e geralmente tendo mulheres como personagens. Outra característica que curti foram as cores que se destacam nas fotografias: vivas e em tons vintage.




Prager é também cineasta: seu curta-metragem, Despair - o da ruiva da primeiro foto do post -, também estava em exibição no MoMa:



Mais? Pois Alex Prager tem um site que merece ser escarafunchado. Deliciem-se, pois o cara é phoda, com "ph" de "photografia".

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

ESTOU DE VOLTA!


É isso: depois de um período de merecidas e necessárias férias, voltei. Aguardem posts a partir de hoje - e alguns devem ter relação com Nova York, cidade que acabo de conhecer. Excelente viajar, mas voltar também é bom demais - sobretudo pro Rodanders.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

25 ANOS DEPOIS, MARTY McFLY VIVE!

Na próxima terça, 19, acontecem os Scream Awards, evento que premia os melhores do ano em ficção científica, fantasia, terror e quadrinhos - aka celebração nerd. E vejam que vinheta incrível anuncia um reencontro que deve emocionar muita gente:



De emocionar habitantes e não-moradores de Hill Valley, não?

domingo, 10 de outubro de 2010

BANKSY QUEBRA TUDO PRA CIMA D'OS SIMPSONS. E A FOX, PRA CIMA DELE.

Vejam vocês que senhora porrada o Banksy - aquele artista urbano bonzão e famoso e que dirigiu um documentário foda - deu n'Os Simpsons ao fazer sua versão da abertura do desenho:



(Via Léo Galliez)


Sabem o que é mais maneiro nessa história toda? Essa foi a abertura oficial do último episódio exibido lá fora. Levem fé.

Sendo assim, o que temos? Imagino a seguinte sequência:

1º) Banksy sendo chamado pela Fox;
2º) Banksy pedindo liberdade irrestrita pra fazer o que quiser;
3º) Banksy pensando em escrotizar pra valer;
4º) Banksy escrotizando pra valer, e mandando sua obra pra Fox;
5º) A Fox, para surpresa de todos nós, aprovando a abertura, a exibindo na TV.

É aquela coisa: se a Fox veta, estava feita a polêmica, e Banksy arrumaria um jeito ou outro de espalhar a versão censurada pelas interwebs. Lá estaria o artista, com sua integridade de rebelde devidamente preservada, a Fox demonizada etc. Mas o estúdio foi e aprovou. Será que Banksy contava com essa?

Malandragem-mor da Fox - que, com ou sem Banksy, seguiria/seguirá fazendo o que quiser com seus manufaturados por chineses; mas dando o "ok" para a vinheta dele, mostrou medo zero de rabo preso, e ainda deixou Banksy numa sutil saia justa: tudo bem que a corporação faz o que faz e que você passou sua mensagem, mas...como topa trabalhar pra essa galera?


Interessante caso de mutualismo breakthrough.

90 DIAS COM MR. CATRA: O PUNK DO FUNK

Acabei de ver - e de curtir - 90 Dias Com Mr.Catra, minidoc de Rafael Mellin sobre uma das personalidades mais interessantes da música brasileira contemporânea: Wagner Miranda, o Catra. Aqui:





O maneiro do doc é descobrir o personagem através de seu estilo de vida - não sei quantos shows por noite, não sei quantos filhos, não sei quantas mulheres, não sei quantos bagulhos fumados ao longo do filme. É isso: com Catra, não dá pra ser feliz se não for com excesso, sem esconder de ninguém o que gosta ou deixa de gostar. Funkeiro punk pra cacete mesmo.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

LUKE PERSON E O COTIDIANO REGISTRADO NOS QUADRINHOS

Quem é ele? Um ilustrador freelancer e um quadrinista espetacular, com um senso de humor na medida, capaz de produzir coisas como essa aqui:



O site dele é de deixar qualquer um perdido
; porém, o trabalho que fez me interessar por Person foi esta história aqui, chamada Some People. Cliquem no link pra ver um casamento sensacional entre traço e texto. Devo essa ao Victinho - que, aliás, está de blog novo. Confiram.

PODCAST TUDO ESTÁ RODANDO #39: ROCK, SOUL, JAZZ, FOLK E ELECTRO SÃO AMIGOS


Rock, funk - nem pensem em batidão, claro que não - e até  jazz pra terminar. A nova edição tem mais guitarras do que blips e blops. Mas óbvio que rola um electrozinho...









Problemas com o player? Aqui dá pra ouvir direto do servidor e baixar o programa também. E lá vai a tracklist:

The Human Beinz, Nobody But Me - Essa foi a trilha da excelente cena inicial da sétima temporada de The Office. Escolha incrível, pois é o tipo de música que é impossível ouvir e não mexer uns 27 músculos.

Black Merda, Cynthy-Ruth - O nome é bizarro mesmo, mas pelo que eu li aí nas interwebs é uma variação de "murder". Agora, o funk é inconfundivelmente bom.

Florence + The Machine, Kiss With a Fist - Uma historinha nervosa de briga de casal, contada com a voz doce da ruiva Florença e uma guitarrada bem bacana.

The Gay Blades, Try To Understand - De vez em quando ponho uma música de comercial de margarina aqui, né? Mas essa é pra tomar o café e sair na chuva. Pop rasgadão, animado e comedido nos momentos apropriados.

Catastrophes, Kings of Rock n' Roll - Pop folk, talvez? Talvez. Não chega a ser algo personalíssimo não, mas faz sorrir.

Wolf Gang - Lions In Cages - Eu vi uma definição num site falando que essa banda londrina é um misto de Arcade Fire e Coldplay. Ouçam e vejam se concordam. Eu não chego a concordar, mas entendo o que queriam dizer. De qualquer forma, é bom.

Adam Kesher, Hour of The Wolf - Curte Klaxons e Miike Snow? Então não tem erro: vai curtir o quinteto.

LCD Soundsystem, Home - Essa encerra o novo disco da banda de James Murphy, This Is Happening. É daquelas delícias que se costuma ouvir no começo ou no fim da noite.
Lilofee, Runaway - Bela dica do meu parça de I Hate Foco, Rodrigo "Drugue" Miranda. De fones o baixo e os beats soam ainda mais persuasivos na intenção de te fazer se mexer. E o vocal feminino me lembra algo que não estou sabendo dizer o quê, mas se recordar, edito aqui.

Cults, Go Outside - Essa eu conheci no vídeo das mocinhas do Longboard Girls Crew. Aquele vocal feminino dobrdado e cheio de reverb e pianinho de criança pra fazer carinho no ouvido dos mais endurecidos seres humanos.

Brad Mehldau, Exit Music (For a Film) - Ele acabou de tocar aqui no Brasil - ainda estaria por aqui? - e de seu piano costumam sair versões jazzy matadoras para clássicos do rock contemporâneo, como essa que, na minha opinião, é a música mais triste do Radiohead...e uma das mais belas também. E ele até alivia um pouco a melancolia.

***



Para assinar o RSS exclusivo do podcast basta vir aqui.
E os que quiserem dar suas impressões, fazer elogios rasgados e sugerir sons, podem recorrer aos comentários abaixo ou ao louvável e-mail do site.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

MOLESKINE HOMENAGEIA OS 30 ANOS DO PAC-MAN

Depois do Google, o ícone dos videogames ganha homenagem da empresa dos caderninhos favoritos dos descolados:




Já, já, em qualquer papelaria ou livraria bacana.

CAMISETA DO DIA: CONHEÇAM O COOKIEBACCA

                                                   (Via Super Punch)

Essa ainda tá em votação pela Threadless. Quem quiser pode aderir à causa.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

RODADINHA: BOBBLEHEAD DE LARANJA MECÂNICA, NOVO FILME DO PEANUTS Y OTRAS COSAS BACANAS

Hoje tá foda. Correria, estresse e falta de tempo - tudo o contrário do clima do post anterior. E pra essas horas corridas que a Rodadinha serve: eu posto, vocês pegam uns links maneiros e tá bonito:

- O Bobblehead do Alex de Laranja Mecânica é espetacular, né? Todas as infos pra quem quiser comprá-lo.

- A Comic-Con fica em San Diego até 2015. E em pensar que podia ter ido pra Los Angeles! Seria demais.

- Vai ter novo filme do Peanuts! O nome é Happiness is a Warm Blanket (haha) e aqui está a primeira imagem dele.

- Christoph Neimann ilustra sua paixão por café no NYT com...café. 

É isso. E pra quem estranhou, sim, me recusei a falar da versão 3D de Star Wars por aqui. Tsc.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

MENINAS EM UMA TARDE DE LONGBOARD

Tem como dar errado? Tem com não ser bonito?

Respostas: Não. E até que tem, mas...Não.


Valeu, Victinho.

PAUL McCARTNEY NO BRASIL E A VONTADE DE TER SIDO UM BEATLE

Mais perto (e mais certa) do que o filme dos Beach Boys é a vinda de sir Paul McCartney ao Brasil novamente. Da primeira vez em que ele esteve por aqui eu era bem moleque, mas mesmo assim me arrependi obvia e profundamente de não ter ido. Mas desta vez eu vou. E até mais preparado - não por conhecer mais a carreira solo de Paul ou por gostar mais de Beatles, mas sim por ter emoções mais maduras para estar frente a frente com um Beatle. Afinal, se eu já consegui sobreviver integramente a Brian Wilson aos 28, não será Macca que me fará enfartar aos 34.

E foi essa boa notícia que me fez correr atrás, assistir e postar pra vocês algo que consegue especialmente me deixar com uma vontade inacreditável de ter sido um Beatle. Se eu já me emociono do lado de cá, imagina você ter um reencontro tão impactante, registrado lindamente em áudio e num vídeo que conta a história da sua vida e obra. Do outro mundo.

Por favor, usem fones antes de clicar no play.

Related Posts with Thumbnails