quinta-feira, 23 de julho de 2009

RODANDO NA COMIC-CON: COMENTÁRIOS SOBRE A PREVIEW NIGHT E... CADÊ O WI-FI?

Infelizmente, nem tudo é o que parece ser – como a internet gratuita do meu quarto de hotel. Foi graças a essa (falta de) conexão que só estou postando agora o que deveria ter postado horas atrás: os comentários sobre a Preview Night da Comic-Con, que teve a exibição de três novas series da Warner: “Human Target”, “V” e “The Vampire Diaries”.

A primeira de todas foi “Human Target”, protagonizada por Mark Valley, tem algum apelo nas cenas de ação; porem, nada que já não tenha sido visto e muito menos superado por outros seriados do gênero, como “24 Horas”. Outro ponto positivo é o time formado pelo personagem de Valley, Christopher Chance, com o detetive Winston e o estranhamente carismático Guerrero. Foi legal, divertiu, mas não irei acompanhar. Nota 6, com um tiquinho – tiquinho – de boa vontade.

Eu realmente estava aguardando a segunda atração da noite, “V… e não me decepcionei. A história é a mesma da minissérie original – alienígenas lobo-em-pele-de-cordeiro que chegam ao nosso planeta prometendo ajudar mas sem conseguir enganar um grupo de cidadãos – americanos, claro. Entre eles estão um padre, Jack, e a agente do FBI Erica Evans (Elizabeth Mitchell, muito bem pra variar). Há ainda um jornalista que provavelmente vai se envolver com a líder dos aliens, Anna; e já nesse primeiro episódio, o embrião do que promete ser a resistência aos alienígenas…

Passados quase 30 anos desde a atração que a originou, “V” acerta na escolha do elenco, no ritmo de sua trama e, claro, nos efeitos especiais que envolvem as naves – o momento em que a voz de Anna surge falando as línguas locais dos países visitados pelas naves de sua frota – entre as cidades contempladas, o Rio de Janeiro, que ouve um discurso da comandante num português sem sotaque!

Ponto fraco? Há quem possa achar a parte em que a resistência aos Vs começa a se formar um pouco “teoria da conspiração”, mas… bem, é uma série sobre alienígenas reptilianos, certo? E eu, que nunca escondi que sou um filhote de Fox Mulder, curti.

Para terminar, como anunciado, nem vi “The Vampire Diaries”. Seriado vampiresco em que dois vampiros lutam pelo coração de uma estudante de high school é teen demais para mim; e em se tratando de uma atração da CW então… Espero que tenha sido legal, mas não, obrigado. Nem no sofá de minha casa.

Me despeço com uma foto, pra vocês verem como há a preocupação da organização da Comic-Con em impedir os presentes de filmarem o que é exibido no telão:

Infelizmente, nem tudo é o que parece ser – como a internet gratuita do meu quarto de hotel. Foi graças a essa (falta de) conexão que só estou postando agora o que deveria ter postado horas atrás: os comentários sobre a Preview Night da Comic-Con, que teve a exibição de três novas series da Warner: “Human Target”, “V” e “The Vampire Diaries”.

A primeira de todas foi “Human Target”, protagonizada por Mark Valley, tem algum apelo nas cenas de ação; porem, nada que já não tenha sido visto e muito menos superado por outros seriados do gênero, como “24 Horas”. Outro ponto positivo é o time formado pelo personagem de Valley, Christopher Chance, com o detetive Winston e o estranhamente carismático Guerrero. Foi legal, divertiu, mas não irei acompanhar. Nota 6, com um tiquinho – tiquinho – de boa vontade.

Eu realmente estava aguardando a segunda atração da noite, “V"… e não me decepcionei. A história é a mesma da minissérie original – alienígenas lobo-em-pele-de-cordeiro chamados Vs que chegam ao nosso planeta prometendo ajudar mas sem conseguir enganar um grupo de cidadãos – americanos, claro. Entre eles estão um padre, Jack, e a agente do FBI Erica Evans (Elizabeth Mitchell, muito bem pra variar). Há ainda um jornalista que provavelmente vai se envolver com a líder dos aliens, Anna; e já nesse primeiro episódio, o embrião do que promete ser a resistência aos alienígenas…

Passados quase 30 anos desde a atração que a originou, “V” acerta na escolha do elenco, no ritmo de sua trama e, claro, nos efeitos especiais que envolvem as naves – o momento em que a voz de Anna surge falando as línguas locais dos países visitados pelas naves de sua frota – entre as cidades contempladas, o Rio de Janeiro, que ouve um discurso da comandante num português sem sotaque!

Ponto fraco? Há quem possa achar a parte em que a resistência aos Vs começa a se formar um pouco “teoria da conspiração”, mas… bem, é uma série sobre alienígenas reptilianos, certo? E eu, que nunca escondi que sou um filhote de Fox Mulder, curti.

Para terminar, como anunciado, nem vi “The Vampire Diaries”. Seriado vampiresco em que dois vampiros lutam pelo coração de uma estudante de high school é teen demais para mim; e em se tratando de uma atração da CW então… Espero que tenha sido legal, mas não, obrigado. Nem no sofá de minha casa.

Me despeço com uma foto, pra vocês verem como há a preocupação da organização da Comic-Con em impedir os presentes de filmarem o que é exibido no telão:





Eles pedem, o povo respeita.

***

Quinta-feira começando, e as atrações vem aí! Reload aqui e no Twitter. Novidades em (muito) breve!

5 comentários:

Kaká disse...

Eu já queria ver V (poxa, já tem quase 30 anos do primeiro?? uau, me senti velha), e depois dos tweets de ontem é que fiquei com mais vontade. :)

Rafael disse...

Assisti um trailer de V na net... parece q vai arrebentar hein!! Show de bola!

Alan Ongaro disse...

Irei conferir o pilot dessa tal de V... os outros dois eu dispenso.

Amanda Lemos disse...

Ah, que tudo.

Tbm estou ansiosa por "V".

Pena que essa semana estou sem pc em casa >(.

E valeu pela cobertura.

Beijos

chico zé faustino disse...

"o momento em que a voz de Anna surge falando as línguas locais dos países visitados pelas naves de sua frota – entre as cidades contempladas, o Rio de Janeiro, que ouve um discurso da comandante num português sem sotaque!"

CA a atriz q faz a Anna é brasileira,Morena Bacarin,muito boa a cobertura to acompanhando direto

Related Posts with Thumbnails